quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Peso x Vida x Felicidade x Auto Estima

Oi gente, como estamos?! Aqui vai tudo bem na medida do possível. 

Hoje vou fugir um pouco do tema EMAGRECER e falar um pouco das reflexões que tenho feito sobre a minha vida, as coisas que eu passei, as coisas que ainda passo e como tenho construído minha felicidade e auto estima mesmo com todos os "contras" da vida de obeso. 

Primeiro o importante é frisar que mesmo sendo obesa eu não tenho problemas de saúde. Pressão tá ok, nada de diabetes, falta de vitaminas ou nada relacionado ao peso. Muitas doenças são relacionadas a genética e não somente a obesidade. Estar acima do peso pode sim agravar algumas doenças, mas nem sempre é a causa. Eu por exemplo nunca fui de doces apesar do peso, meu índice glicêmico tende a ser baixo.

Até porque ninguém faz mais dieta do que gordo. A gente sabe tudo sobre a vida fitness. Come granola, chia, linhaça, fruta, integrais. Alimentação é campeã! A diferença é que muitas das vezes a gente cai na tentação daquela cervejinha, do churrasco, da macarronada... Mas não quer dizer que a gente só come porcaria. Como qualquer ser humano NORMAL, tem dia de besteira, mas também tem dia de comidinha saudável. 

Mas vamos a história...

Demorei muito tempo a entender que a minha genética é assim. Quadril e coxa larga, braço de biscoiteira e qualquer escapadela vai direto pra barriga. É o meu biotipo. Eu sou o que chamam de mulher violão. Eu posso fazer a dieta que for, mas se não for na faca eu vou continuar com os coxões e os brações. Falo porque tem gente magra na minha família e eu mesma já fui magra (apesar de achar que era gorda por conta dos mesmos braços e pernas). Se eu soubesse naquela época que eu estava bem e não me colocasse tanto pra baixo por conta de um corpo que eu nunca ia ter, talvez eu não tinha chegado ao ponto que eu estou hoje. A pressão de ter AQUELE corpo padrão, me machucou muito desde a adolescência. Eu sempre sofri me comparando com as outras meninas e já que era "gorda" mesmo não faria diferença continuar comendo, descontar a tristeza na comida, porque ninguém jamais amaria alguém tão feia assim.


Tão vendo essa pequena barriguinha aí que nem era de nada? Mas por conta das coxas e dos braços eu sempre pensava que eu era OBESA, horrorosa, monstra. Gente! Quanta besteira! Sempre andava - e ainda ando - com os braços cobertos. Ninguém me vê sem um casaco ou blusa de manga não importa o calor!

O pior era saber que os rapazes se aproveitavam disso. Da minha falta de auto estima. Já que eu tinha vergonha de mim eu deixava que eles me escondessem, namorava em segredo, sendo grata que alguém tava perdendo o tempo com alguém como eu. Eles claro faziam isso pra ter mais de uma ao mesmo tempo, e eu - burra - achava que era justo. Não importava o quanto eu estudava, ou tinha "admiradores" por conta de ter banda que no fim das contas eu nunca achei que eu merecia algo bom. Afinal eu era um monstro, uma tosca. Era assim que eu me chamava de "tosca". 

Mas sabe, de certa forma foi bom pra mim. Porque por me achar feia eu comecei a me relacionar com gente que também era vista como feia. Que tinham os mesmos problemas e no fim eram pessoas maravilhosas. Namorei super magros, super altos, gordos, nerds, e claro pessoas normais e consideradas bonitas. Esse era o mais incrível. Os caras LINDOS sempre tinham uma queda por mim e eu nunca entendia o porquê! 

Mas daí eu comecei a reparar que quando você não se importa muito com essas coisas de beleza (não falo de não ter vaidade, e sim de estar sempre desesperado pra ser perfeito dentro do padrão) e só aproveita a vida você se torna uma pessoa melhor. Sabe aquela pessoa que senta na mesa e ninguém vê como mulher (era o que eu achava) que fala besteira, bebe cerveja, joga sinuca, curte a conversa e a noite com os amigos? Essa era eu. E algum desses amigos começaram a ver mais em mim do que eu via. 

Meu pai me ensinou que eu não devia ser tratada menos do que uma princesa. A minha vida é uma dádiva e que jamais eu deveria deixar alguém me diminuir. E se não for pra ser bem tratada não vale a pena. E o melhor é o quanto isso afeta as pessoas. Sabe aqueles caras que as meninas viam como feio e nunca deram moral? Então, depois de começarem a namorar comigo, me tratar bem, as outras "moças" cresceram os olhos e começaram a dar em cima. E o mesmo foi comigo. Por que aquele cara tá com ela? O que ela tem de especial? Ela é só uma anã gorda... As pessoas não são nada mais nada menos do que influenciáveis pelo seu grupo de convivência.

Assim eu passei a reparar que eu tenho sim algo de especial .Eu tenho empatia, eu me divirto, eu aproveito a vida. Não digo não pra um churrasco e uma cerveja numa boa companhia. Curto uma noite de fondue e vinho sem contar calorias e acabar com esforço do cara que preparou tudo isso pra me agradar. Eu era uma mulher sem frescura. Sem "não toca no meu cabelo porque vai estragar minha chapinha". Se é pra pular na piscina no churrasco com os amigos eu sou a primeira! Cabelo seca, se tiver feio a gente faz um coque. Deixar de se divertir, deixar de fazer as coisas por pensar nos outros não prejudica ninguém além de nós mesmos. 

Com as amigas, num churrasco a noite, de roupa e tudo!

Quando eu me descobri como mulher, interessante, desejável... eu já estava acima do peso. Como todo mundo sabe eu cheguei aos 98kg no ápice da minha depressão (isso é outra história, que também já contei aqui). Mas eu nunca fiquei solteira sem ser por opção. Quando eu fiquei solteira - e todo mundo insistindo em me apresentar pretendentes - foi a minha escolha de não perder tempo com algo que não era bom pra mim. Isso é outra coisa que sempre me incomodou: VOCÊ NÃO PODE SER SOLTEIRA. Como se mulher só se valida quando está numa relação. Lembra lá que meu pai me ensinou que eu sou uma princesa e ninguém pode me destratar? Então! Namorar só pra falar que tem namorado com uma pessoa que não tinha nada a ver comigo não era uma opção. Eu queria alguém pra jogar videogame, dormir de conchinha, aceitar os meus momentos em que eu queria estar só comigo ou com as minhas amigas, entendesse meus sonhos e ambições e compartilhassem deles. Eu não podia mudar quem eu era pra me "encaixar" na vida de alguém, e também não tinha o direito de fazer ninguém se encaixar na minha. 

Sabe quando as oportunidades passam e você se arrepende porque você tava com a pessoa errada e aquela que você gostava de verdade tá solteira, daí você termina e a pessoa está loucamente apaixonada por outra... É timming! A gente tem que estar disponível pras coisas boas acontecerem. Se você tá se desgastando em uma relação que não é pra você, que você sabe que não é pra você, mas não quer ser solteira/o você perde as melhores coisas da vida. 

Daí entra a parte da minha felicidade. Foi com um mês depois de um término que eu fiquei com a pessoa que hoje é mais importante pra mim. Já pensou se eu tivesse ali, insistindo? Chorando as mágoas com algo que não estava dando certo? Por puro orgulho? Eu estava disponível, sem procurar preencher aquele vazio e a obrigação de que todos me diziam que eu tinha que ter alguém do meu lado pra mostrar pros amigos ou pro ex que eu estava por cima. 

E sabe aquele negócio de ter alguém que corresponde as suas expectativas?! Eu tenho alguém que vai no parque comigo brincar de carrinho de controle remoto (matando todos os outros maridos de inveja - porque eles tem que fingir que são adultos), que joga videogame, que assiste as séries, filmes, animes, que cozinha e engorda junto comigo porque também não nega um bom vinho, uma boa macarronada, um bom churrasco.

Não importou o meu peso, as minhas manias, os meus gostos. Lógico que temos idéias diferentes e discordamos de alguma coisa. Mas respeitamos um ao outro como indivíduo. E sabe, eu sei que esses dois gordinhos causam inveja em muita gente! O que tem de mulher que dá em cima dele, e homem que dá em cima de mim porque vê a nossa felicidade juntos e anseiam pelo mesmo não é brincadeira. 



A vida não se resume ao seu peso. A vida se resume ao seu respeito próprio. A sua auto estima e vontade de ir em frente. Mas nada muda se a gente não muda. Enquanto não nos acharmos merecedores, não tentamos a sorte com coisas e pessoas diferentes do padrão para aprendermos sobre nós mesmos e nos aceitarmos, nada vai acontecer de bom. O que eu posso dizer é: seja protagonista da sua própria vida. Daí se você quer emagrecer, engordar, cortar o cabelo... não importa. Mas se o emocional não tá bom e bem preparado pra todos os desafios da vida, não é o corpo sozinho que vai tornar tudo melhor.

Aposte sempre no seu caráter, no seu bom humor e nas boas lições que a vida trás. O restante é consequência. 

Abraços!

5 comentários:

  1. Adorei Andreia, e me identifiquei em muitos pontos. Eu também sempre fui encanada com meus braços gordos, e sou uma eterna insatisfeita comigo mesma, apesar de ter plena consciência das minhas qualidades e do meu valor como ser humano. Sempre que vejo uma foto antiga minha penso: eu estava bonita nessa época, mas aí me lembro que "naquela época" da foto eu queria emagrecer mais um pouco... Mas penso que tudo isso é uma questão de aprendizado e maturidade, a gente faz coisas na vida que apesar de serem uma tremenda bobagem, vão nos ajudar a lapidar quem seremos no futuro, você não acha?

    ResponderExcluir
  2. Deiaaaaaa
    demora a aparecer, mas quando aparece Boooooooom na cara da gente!
    hehehehehehehe
    Texto perfeito, a gente se cobra tanto e na maioria das vezes por bobagem, por medo do q os outros vão achar/falar, medo de n corresponder expectativas...
    Eu só uso blusa sem manga em casa, p sair NUNCA
    n gosto dos meus brações...mas aí escolho uma roupa que me deixe confortável e q eu ache bonita! N deixo de sair por causa do meu peso, hj eu tô no peso de qd tava grávida, n tô me sentindo bem cmg msm, mas n tô desesperada p mudar isso. Vou me cuidando, tentando mudar, mas sem paranóia, sem deixar de viver momentos bons por conta do meu peso e aparência!

    Bjoooos
    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oiiiiii, amei a postagem, temos que nos amar e respeitar o nosso biotipo, eu também não uso blusa sem manga me sinto pelada kkk, preciso mudar isso mas por enquanto tem que ter uma manguinha ali, o importante é ser feliz e aproveitar os pequenos momentos da vida, bjsssss

    ResponderExcluir
  4. Nossa...adorei...me identifiquei em muitos aspectos... E como vc disse... não é porque somos gordas que somos doentes, mts pessoas associam as 2 palavras e nossa...me matam de raiva!!

    ResponderExcluir
  5. Que legal ler sua história, acho que é a primeira vez que passo aqui...
    Já vacilei muito na vida com essa ideia de que não era merecedora! bullshit...cada um é cada um e tem seu valor. E isso é único.
    Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada por me acompanhar! Se seu blog não estiver nos meus favoritos, me avise! Juntos em busca de uma vida saudável! =)